5 comentários

Clique aqui para comentários
11 de fevereiro de 2012 11:14 × Este comentário foi removido por um administrador do blog.
avatar
admin
7 de março de 2013 09:48 ×

cOM O FAÇO PARA SABER QUAL É O MEU ANJO DA GUARDA?

Balas
avatar
admin
2 de junho de 2013 16:50 × Este comentário foi removido por um administrador do blog.
avatar
admin
9 de julho de 2013 14:45 ×

Vi o título e quase tive um treco... Pensei que aqui tinha sido invadido pela nova era... Continuemos em Cristo e nos entraremos no céu! Forte abraço.

Balas
avatar
admin
5 de outubro de 2015 16:05 ×


A igreja proíbe que se dê nomes particulares aos anjos. Muito bom esse texto explicativo da Obra dos Santos Anjos.
"

Opus Sanctorum Angelorum


Página curtida · 28 de agosto de 2013 ·





.

Na Sagrada Escritura receber e dar a conhecer o Nome é uma realidade pessoal muito profunda. Trata-se da vida de uma pessoa e sua missão. Revelar o nome é entrar em relação pessoal com aquele a quem se revela.
Muitas pessoas têm o desejo de nomear o seu Anjo da Guarda, também muitos santos o fizeram. Então é possível fazer isso? Sim. Mas de que forma?

Quando tratamos de pessoas como os Santos Anjos, devemos levar em consideração duas coisas principalmente: a grande dignidade que essas Pessoas possuem. (ver formação Nº 2). Depois é necessário ter em conta as diretrizes da Igreja a respeito do assunto (ver formação Nº 7).

Se para nomear o Santo Anjo da Guarda deve-se ter em conta a grande dignidade de sua Pessoa, então nomes como Anjinho, amiguinho, Zezinho, Joãozinho, etc. não correspondem à dignidade Angélica. Na verdade NENHUM NOME PESSOAL PRÓPRIO. É a norma da Igreja: “DEVE-SE REPROVAR TAMBÉM O USO DE DAR AOS ANJOS NOMES PARTICULARES, exceto Miguel, Gabriel e Rafael, que estão contidos na Escritura” (Dir. sobre a piedade popular e liturgia, 217).

Então como posso nomeá-lo sem dar-lhe um nome próprio? Aqui nos ajuda o exemplo dos santos. Eles se serviram do próprio nome genérico “Anjo, ou Santo Anjo”, ou de algum outro atributo de seus Anjos da Guarda para criar uma maneira pessoal e íntima de nomeá-los. Vejamos alguns exemplos:

São Padre Pio: Amigo de minha infância.
Santa Teresinha: Glorioso Guardião.
Santa Hildegardis de Bingen: Príncipe de Honra.
São Gregório: Anjo Celestial
Cecy Cony: (de “Vi o meu Anjo”) Novo Amigo.

Desta forma simples, os santos os chamavam à maneira de filhos às suas mães. Ninguém chama a sua mãe pelo nome próprio, mas pelo seu nome de honra: “Mãe”. Assim nós devemos nesta terra conviver com os nossos Santos Anjos!"

https://www.facebook.com/Opus-Sanctorum-Angelorum-290900757596011/timeline/

Balas
avatar
admin
Obrigado pelo seu comentário